Resenha: Diário de uma Escrava - Rô Mierling

14 fevereiro 2017

Título: Diário de uma Escrava
Autora: Rô Mierling
Editora: DarkSide Books
Ano: 2016
Páginas: 240
Para saber mais: Skoob
Livro recebido em parceria com a editora.
Sinopse: Laura é uma menina sequestrada e jogada no fundo de um buraco por alguém que todos imaginavam ser um bom homem. Ela vê sua vida mudar da noite para o dia, e passa a descrever com detalhes sinistros e íntimos cada dia, cada ato, cada dor que o sequestro e o aprisionamento lhe fazem passar. Estevão é homem casado, trabalhador, pai de família, mas que guarda em seu íntimo uma personalidade psicopata. Ele percorre ruas e cidades se apossando da vida de meninas ainda muito jovens, pois dentro de si uma voz afirma que é dele que elas precisam. Mergulhando fundo nessa fantasia, ele destrói vidas, famílias e sonhos, deixando atrás de si um rastro de dor e morte. Narrado em parte em forma de diário, o livro acompanha mais de quatro anos da vida de Laura em um buraco embaixo da terra, período em que algo dentro dela também se modifica de uma forma inimaginável em busca da única maneira para sobreviver. DIÁRIO DE UMA ESCRAVA apresenta um retrato duro, cruel, abominável, mas infelizmente corriqueiro no Brasil e em todo o mundo. 


Depois do sucesso de Diário de uma Escrava no Whattpad, essa história cruel ganha uma edição maravilhosa pela editora Darkside

Sobre o livro

Laura tem 18 anos. Aos 14, quando ia para casa do namorado, foi sequestrada e levada para um buraco, uma espécie de porão, em baixo de uma casa. Durante esses quatro anos, a menina viveu em condições precárias e foi torturada de todas as maneiras possíveis pelo sequestrador.

Estevão (Ogro como é chamado por Laura) é, aparentemente, um bom homem, trabalhador, membro da igreja. Casado a algum tempo, ele passa a maior parte dos dias em seu sítio. Sua mulher não se importa mais, pois sabe que o marido sempre gostou mais de lá do que da cidade e é lá que ele trabalha, na maior parte do tempo. Porém ela nem imagina o verdadeiro motivo que prende Estevão tão longe de tudo e todos. É sob a casa do sítio que está o cativeiro de Laura.

Laura conta em detalhes sua rotina no buraco escuro e como são as visitas de Ogro, que a chama de Ursinha. Sofrendo estupros diários, entre outras agressões físicas e psicológicas, ela busca forças dia após dia nas lembranças da família e do namorado e na esperança de uma dia conseguir fugir.

Até que um dia, Ogro perde a cabeça e sequestra outra menina. A partir disso, tudo muda na vida dos dois, e Laura vê a chance de finalmente escapar desse monstro. Porém, ela está muito abalada psicologicamente, e seus pensamentos divergem o tempo todo, colocando em dúvida os reais sentimentos de Laura. Assim, vamos acompanhar a história de luta pela sobrevivência de uma menina que teve sua vida roubada por um psicopata.


Minha opinião

A capa do livro não podia ser mais linda. A metade de uma borboleta na capa e na contracapa formam quando aberto o livro uma linda borboleta, a qual entenderemos seu significado após a leitura. O corte de páginas está lido em um degradê que vai do azul ao rosa. Sem falar na diagramação que está perfeita, com ilustrações que fecham devidamente com a trama. Na minha opinião, essa edição linda serve para amenizar a história tão triste e cruel que encontramos dentro do livro.

Li o livro em menos de 48 horas, e isso me chocou. O fato de eu ter lido tão rápido uma história dessas incomodou-me muito, pois tudo é muito impactante e cruel. Durante a leitura fui tomada por uma sensação de ansiedade muito maior do que todos os outros sentimentos horríveis que tomavam conta de mim. Tudo que eu queria era terminar aquilo e me tranquilizar com o final.

A escrita da Rô é viciante. A maior parte do livro é narrado em primeira pessoa por Laura. É assim que conseguimos “sentir na pele” o que ela sofre todos os dias. Alguns capítulos são narrados em terceira pessoa com o enfoque no Ogro, para que possamos ver tanto o modo de vida dele, como acompanhar suas caçadas as outras vítimas. Há também capítulos no passado e visões de outros personagens. As descrições em detalhes dos estupros choca e revolta. Essa visão ampla dos fatos, colabora muito para o sentimento de revolta, pois vemos tudo que está acontecendo e o rumo que a história está tomando (que não é o que gostaríamos).

Ogro é um homem doente, com a mente transtornada. A tortura psicológica que ele pratica diariamente é tão cruel quanto a violência física. Seu nível de perturbação é tão grande que ele nem mesmo pensa nas consequências de seus atos na hora que decide quem será sua vítima. Um mostro que quanto mais vê o sofrimento das meninas, mais gosta.

Vi-me em vários momentos, tentando achar uma maneira de Laura fugir. Bolei na minha cabeça milhões de coisas que ela poderia ter feito para acabar com a vida de Ogro, não levando em consideração seu estado físico e mental. Só consegui entender seus atos e quão fragilizada ela estava, quando ela se descreve após se olhar no espelho.


O pior de tudo é que não bastasse as atrocidades que Ogro faz com Laura, a autora insere outras vítimas à trama, para que o choque de realidade seja maior. Assim acompanhamos todo o processo horrento dele, desde a escolha das vítimas até o destino final delas, após serem estupradas e torturadas. Um homem completamente doente que sequestra meninas de 10 a 15 anos, achando que está ensinando-as a serem fortes. Impossível ler essas cenas e não sofrer com as garotas e não se colocar no lugar de uma mãe que perde a filha assim.

O pior é saber que o mundo está cheio de Ogros. Que assim como Estevão levam uma vida normal e longe de qualquer suspeita. Não conhecemos ninguém, nem as pessoas de nosso convívio diário. Podemos estar perto de uma pessoa horrível e nem desconfiamos. Não importa o quanto as mulheres se cuidem, em um simples minuto de descuido pode estar a oportunidade deles.

O fim foi para mim, num primeiro momento, uma decepção. Fiquei completamente revoltada com os últimos parágrafos. Porém quando li, nas últimas páginas, relatos reais e outras explicações que a autora usou para elaborar a história, consegui compreender o objetivo da Rô com o final da obra. Além de expor a realidade das vítimas, ela quis mostrar que a grave situação mental delas é, muitas vezes, determinante na decisão que tomam, optando pelo caminho que acham ser o mais fácil. 

Meu sentimento, como mulher e mãe, após a leitura é de revolta, preocupação e medo. Com certeza minha vida e a vida de minha filha depois desse livro não será mais a mesma. Minha atenção que eu já considerava um pouco extrema, agora será redobrada e minhas orientações milhares de vezes repetidas. E mesmo assim, a preocupação vai andar comigo diariamente.

Diário de uma escrava é um livro chocante. Uma leitura para pessoas com estômago forte, apesar de achar que todo mundo devia lê-lo. Não é um tapa, mas sim um soco cruel e doloroso na cara. A veracidade da história assusta, mas alerta a uma triste realidade que está mais perto do que imaginamos. 



9 comentários

  1. Eu vejo muitos comentários a respeito desse livro, e a capa da darkside não poderia ser melhor não é?
    Ele já está na minha lista desde o lançamento, espero ler o quanto antes!
    Parabéns pela resenha! Beijos

    Blog Free Time Nerd

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem?
    Já li vários comentários positivos e a cada nova resenha positivo que leio fico ainda mais curiosa. Sua resenha está ótima e as fotos lindas. Esse livro já está na minha lista de leitura, só falta adquiri=lo. Beijos

    ResponderExcluir
  3. deve sere uma história bem impactante mesmo, pela temática que aborda... apesar de gostar de textos violentos,não sei se leria algo da autora...não sei explicar, pode ser apenas uma impressão minha... mas tipo...não bateu 'vibe'pra querer conhecer sua escrita, até o momento...
    a edição está muito bonita mesmo...
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Nossa, vejo muita gente falando bem desse livro e dizendo que ele é assustador e até um pouco pesado, confesso que por isso eu não sinto muita vontade de ler, sei que ficaria com um peso grande no coração :( Flores no Outono 

    ResponderExcluir
  5. Olá!

    Eu estou louca para ler esse livro, o motivo: diversidade de opiniões! Vi que vc gostou muito, mas vi muita gente que detestou! Relevando a questão violenta. Eu ainda assim, quero tirar minhas conclusões!

    Bjus

    ResponderExcluir
  6. A temática já é bem forte, não duvido que o livro seja um soco no crânio, como dizia o Kafka. Este livro está em minha lista de leitura e espero logo poder comprar, parabéns pela resenha.

    ResponderExcluir
  7. Olá,

    Acabei de comprar esse livro e estou bem ansiosa pela leitura. A temática é forte, mas é também uma obra reflexiva sobre a criação realidade a qual estmaos vivenciando. Estou muito ansiosa para ter o meu livro em mãos e suas impressões me deixaram ainda mais convicta de que esse livro é realmente grandioso.

    ResponderExcluir
  8. Oie
    aff a cada resenha eu quero mais ler esse livro, parece ser uma leitura muito interessante para nós mulheres, e como sempre, a editora arrasou nessa edição, está muito linda, adorei a dica

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Oi pessoa leitora, fico muito feliz com sua visita. Não esqueça de deixar um comentário me contando o que achou do post e do blog!

Dicas e opiniões são sempre bem-vindas!

Obrigada pela visita e volte SEMPRE!!