Resenha: A Alma da Marionete - John Gray

02 outubro 2018

Título: A Alma da Marionete
Título original: The soul of the marionette
Autor: John Gray
Tradução: Clóvis Marques
Editora: Record
Ano: 2018
Páginas: 126
Para saber mais: Skoob
Livro recebido em parceria com a editora.
Sinopse: Diante da possibilidade de ser livre, todos querem a liberdade. Será? Baseamos nosso conceito de existência na ideia de que temos o domínio de nossas ações, de nossa consciência e de nosso mundo, mas somos escravizados pela suposta liberdade ilimitada diante de nós, sem perceber que a vida humana é pautada pela ansiedade de decidir como viver. John Gray une conceitos de gnosticismo, ficção científica e ocultismo, e costura tradições religiosas, filosóficas e fantásticas para questionar a ideia de liberdade humana. Uma reflexão instigante e original, que mostra que a liberdade é uma ilusão e que, tal como ocorre às marionetes, os humanos sonham em fugir do martírio de fazer escolhas.




Faz pouco tempo que tenho procurado livros que levantem questões mais filosóficas sobre a vida e a essência do ser humano. Estou gostando muito de pensar e filosofar sobre questões envolvendo esses assuntos, e foi por isso que quando vi o titulo do livro pensei em lê-lo. Pois a liberdade humana é um assunto que gosto de debater com meus amigos e familiares, acredito que não somos realmente livres. Por isso, minha expectativa era de uma leitura intensa e com muitos questionamentos. Eu não estava errada, A Alma da Marionete deu muitos nós na minha cabeça e vez eu pensar como nunca.

Logo de início, o autor faz uma comparação do ser humano com uma marionete sendo manipulada pelo titereiro. Com isso, John defende que a marionete é mais livre que nós, pois ela, por ser inanimada, não precisa fazer escolhas, já o ser humano está sempre tendo que escolher, sendo assim não somos livres. Só por esse começo, já dá para perceber o quão complexo vai ser a abordagem do autor. Eu gostei muito desse início, fiquei super empolgada para ver o que mais o Gray iria me apresentar.



E a partir desse princípio que o autor vai construindo seus argumentos para provar que nós seres humanos não queremos mais ter essa liberdade de escolher, pois não conseguimos lidar com a dúvida. John vai abordando e entrelaçando a essa ideia o passado histórico, as religiões e o avanço da civilização. Ele mostra também como obras e pensamentos de outros autores, como Mary Shelley, Philip K. Dick e Poe, já falavam sore esse assunto, em seus escritos, há muito tempo. Gostei muito dessa parte, pois são autores que já li e conheço um pouco da história deles, foi legal ver ele mostrando como esses autores abordam o agnosticismo em suas obras.


...se liberdade significa deixar que os outros vivam como quiserem, sempre haverá muitos que se sintam felizes sem liberdade.

A escrita de John Gray é extremamente simples e direta, contudo muitos conceitos abordados por ele não eram do meu conhecimento. Por isso eu tive que, durante a leitura, pesquisar algumas informações apresentadas. Questionamentos e abordagens filosóficas não faltam, confesso que muitas vezes não entendi o que autor estava falando, pois algumas ideias defendidas foram trabalhadas de forma muito profunda para a minha humilde cabecinha.

Com questões que vão além de simples questionamentos sobre liberdade humana, a leitura de A Alma da Marionete é um exercício mental para quem gosta de pensar muito. 


5 comentários

  1. Lê!
    Gosto também de livros mais filosóficos em que podemos questionar vários paradigmas existenciais, embora exija um pouco mais de reflexão e raciocínia de nossa parte, oq ue não quer dizer que temos de concordar com as premissas levantadas pelo autor.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  2. Gosto muito do autor por sempre trazer livros que nos fazem refletir, li homens são de Marte,as mulheres são de Vênus e adorei.
    Vou anotar sua indicação para uma próxima compra.

    ResponderExcluir
  3. Oi Lê.
    Parece um livro bem interessante.
    Mas acho que o autor podia ter colocado uma nota sobre alguns conceitos menos conhecidos pela população em geral, para pelo menos o leitor ter uma ideia sobre o que ele estava falando e não ter que ficar fazendo pesquisas por fora.
    Eu comecei a ler um livro que fala que aborda um tema parecido com o do livro. chama The paradox of choice, no qual, aparentemente, ter muitas escolhas parece beneficiar o consumidor, muitas vezes é o contrário rs pois são tantas opções que para você escolher A MELHOR opção você gastaria muito tempo fazendo pesquisas de preço/qualidade/entre modelos, por exemplo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Gostei bastante da proposta do livro, parece nos levar a questionamentos inquietantes, gosto deste tipo de leitura. Fiquei bem interessada, ainda não li nada deste autor, anotarei a indicação!

    ResponderExcluir
  5. Eu confesso que livros filosóficos e derivados fogem um pouco da minha zona de conforto de leitura, mas esse me interessou por abordar um tema tão inerente e ao mesmo tempo tão distante de todos nós. Acho que a leitura seria um pouco lenta, eu demoro um tempo para absorver teorias mais complexas, mas ainda assim acredito que ela valeria a pena pelas reflexões que suscita e que com certeza impactariam na minha visão de mundo e do próprio ser humano.

    ResponderExcluir

Oi pessoa leitora, fico muito feliz com sua visita. Não esqueça de deixar um comentário me contando o que achou do post e do blog!

Dicas e opiniões são sempre bem-vindas!

Obrigada pela visita e volte SEMPRE!!