Resenha: Dentes de Dragão - Michael Crichton

20 novembro 2018

Título: Dentes de Dragão
Autor: Michael Crichton
Editora: Arqueiro
Ano: 2018
Páginas: 304
Para saber mais: Skoob
Livro recebido em parceria com a editora.
Sinopse: Em 1876, no inóspito cenário do Oeste americano, os famosos paleontólogos e arquirrivais Othniel Marsh e Edwin Cope saqueiam o território à caça de fósseis de dinossauros. Ao mesmo tempo, vigiam, enganam e sabotam um ao outro numa batalha que entrará para a história como a Guerra dos Ossos. Para vencer uma aposta, o arrogante estudante de Yale William Johnson se junta à expedição de Marsh. A viagem corre bem, até que o paranoico paleontólogo se convence de que o jovem é um espião a serviço do inimigo e o abandona numa perigosa cidade. William, então, é forçado a se unir ao grupo de Cope e eles logo deparam com uma descoberta de proporções históricas. Mas junto com ela vêm grandes perigos, e a recém-adquirida resiliência de William será testada na luta para proteger seu esconderijo de alguns dos mais ardilosos indivíduos do Oeste.



Sobre o livro

Johnson é um jovem estudante de Yale, que adora fazer apostas e mostrar sua coragem. Em um momento de uma nova jogada, ele decide provar que topa qualquer coisa e aposta que é capaz de passar três meses viajando na excursão que o professor e paleontólogo Othniel Marsh está organizando para procurar fósseis de dinossauros no oeste americano. Contudo, quando procura o professor, descobre que as vagas para a expedição já estão preenchidas, mas ele decide que não vai perder mil pratas fácil assim, e consegue a vaga depois de falar a Marsh que é fotógrafo, o que estava faltando para a viagem ficar completa.

Já na excursão, uns dias depois, William é abandonado pelo professor, pois esse acreditava que ele era um espião enviado por Edwian Cope, seu rival no quesito fósseis. Mas o inesperado acontece quando Johnson encontra Cope, hum homem totalmente diferente do mal falado de Marsh. Cope mostra-se um cientista muito inteligente e prático, sem falar que também está indo a procura de fósseis de dinossauros, logo pede que o estudante se junte a ele.

Com isso, eles seguem em expedição e, após alguns dias, fazem uma descoberta incrível. Agora o objetivo deles é levar o que foi encontrado para a universidade, contudo esse caminho de volta será mais perigoso do que as histórias sobre o Velho Oeste que Willian escutou da família.


Minha opinião

É clichê dizer que os livros da duologia Parque dos Dinossauros são um sucesso enorme, eu sempre quis lê-los, inclusive tenho os dois. Mas foi através desse livro, que foi publicado após a morte do autor, que tive a oportunidade de conhecer a escrita de Michael Crichton. Sinceramente, eu não sabia muito bem o que ia encontrar nessa obra, eu já tinha sido avisada que o foco da história não estaria nos dinossauros, mas sim em questões mais humanas. A leitura de dentes de dragão foi uma experiência nova dentro de tudo que já li.

O primeiro fato legal nesse livro é que a história vai se passar durante um momento importantíssimo na história dos Estados Unidos, a Guerra dos Ossos, um período de descoberta de fósseis de dinossauros no oeste do país, nos ricos depósitos de ossos no Colorado, Nebraska e Wyoming. Esse momento também foi palco da rivalidade entre os dois paleontólogos apresentados no livro: Edward Drinker Cope e Othniel Charles Marsh. Como se sabe, eles recorriam a muitas trapaças para superarem um ao outro, inclusive roubavam e destruíam os ossos descobertos pelo rival. Os dois descobriram mais de 130 novas espécies de dinossauros. Foi bem divertido acompanhar o modo como eles falavam um do outro durante a narrativa, o autor soube dar um tom cômico para as passagens envolvendo os dois.



Minha relação com os personagens do livro foram as mais diversas, eu não me apeguei a ninguém, mas mesmo assim suas atitudes na história tiveram impacto em mim. Todos os personagens passam a impressão de serem práticos em suas vidas, e por isso quando os empecilhos aconteciam, eu gostava muito de ver como eles resolviam de maneira pratica e rápida os problemas. Até quando o protagonista se preso a uma situação, ele não parece muito preocupado, pois sabe que uma hora tudo vai se resolver.

Willian e o fio condutor usado pelo autor para contar a história dessa época dos Estados Unidos e dos dois paleontólogos. Esse é o primeiro livro de faroeste que leio, então tudo que envolve suas aventuras estão relacionadas com o Velho Oeste, há desde pistoleiros a índios. William é um riquinho que acha que sabe das coisas, contudo quando se vê em outra realidade ele tem muito que aprender. Há uma evolução, e isso me surpreendeu bastante, dá para falar qualquer coisa sobre esse personagem, mas ele se mantém firme em sua tarefa. 


A narrativa em terceira pessoa tem o foco em Willian, e a história vai se desenrolando de uma forma muito leve e interessante. O velho Oeste é um cenário novo para mim, mas logo me vi presa a esse mundo. Durante o desenrolar da narrativa há algumas reviravoltas que me surpreenderam bastante, sem falar que o livro tem esse contexto histórico que eu não conhecia, e por isso a leitura acabou sendo muito rica de informações.

Dentes de Dragão é uma viagem no tempo, com direito a aventuras, caçadas e trapaças. Um livro ideal para quem quer ter um primeiro contato com o autor e para quem curte livros de descobertas científicas, mas sem aquela linguagem rebuscada. Agora que já encontrei fósseis de dinossauros, preciso ter um encontro com eles vivos.


4 comentários

  1. Lê!
    Poder ler um livro escrito por um renomado autor e ainda baseado em fatos e rivalidades reais da época, deve ser uma fantasia deliciosa de acompanhar.
    Fiquei bem curiosa.
    Uma semana pleno de luz e paz!
    “Oh, faz-nos felizes, e nos terás feito bons.” (Robert Browning)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA NOVEMBRO - 5 GANHADORES – BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  2. Oi Lê,
    Que bom que teve a oportunidade de ler, e que te conquistou... Eu também nunca li nada sobre o faroeste, e imagino que as descrições, principalmente por usar de um conteúdo histórico, sejam bem legais de acompanhar!
    Eu também achei que o foco não foi bem os fósseis, mostra muito do ser humano, e de como ele se importa mais consigo mesmo, acima de qualquer coisa!
    Fiquei tentada a ler.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Lê,
    Não sei nada sobre o velho oeste americano então não tenho nenhuma base de referência, o que não é ruim, pois aqui está minha chance de adentrar este mundo através de uma história cheia de aventura. Nunca li nenhuma obra de Michael Crichton, mas já assisti a Jurassic Park várias vezes e amo a história. Pelo o que sei dessa obra, o autor foi bem ousado ao unir fatos reais em uma história ficcional, mas acho que esse é seu diferencial. E achei genial ele ter inserido o personagem William Johson para fazer a passagem entre os paleontólogos, pois se não fosse isso a história não teria um ritmo muito interessante. Por falar no protagonista, em um primeiro momento e através de outras resenhas achei William meio infantil, mas acho que não é bem isso, acredito que o seu modo de vida, cheio de riquezas, tenham o deixado um pouco mimado e claro que o seu crescimento pessoal durante a trama será algo bem significativo. Essa aventura promete entretenimento e conhecimento, elementos que juntos podem fazer Dentes de Dragão se destacar entre os leitores.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Lê!
    Livros sobre dinossauros não faz o meu estilo de leitura, mesmo você dizendo que eles não são o foco na história de Dentes de Dragão, assim como também não curto livro de faroeste e nem de descobertas científicas... por isso eu não leria Dentes de Dragão.
    Abraços!

    ResponderExcluir

Oi pessoa leitora, fico muito feliz com sua visita. Não esqueça de deixar um comentário me contando o que achou do post e do blog!

Dicas e opiniões são sempre bem-vindas!

Obrigada pela visita e volte SEMPRE!!